• Vanessa Spiess

Consumidor ou investidor?

Atualizado: 17 de jan.

A reflexão sobre comportamentos que geram impactos, como o fato de consumir determinados produtos, corrobora com uma perspectiva de nova consciência local e novo poder de consumo.


Estamos vivendo tempos de reflexão em que momentos difíceis vem de encontro com o desejo de realizar algo positivo. Em épocas de reclusão social, a reflexão sobre comportamentos que geram impactos, como o fato de consumir determinados produtos, corrobora com uma perspectiva de nova consciência local e novo poder de consumo.


O fato é que estávamos seguindo em um ritmo acelerado, cheio de estímulos que nos fazem desejar coisas o tempo todo. Nesse sentido, o consumo se tornou cada vez mais um ato influenciado por impulsos do insconsciente, e não uma opção verdadeira e consciente de escolha. Ao comprar e consumir um produto, o ato de escolha pode ser emocional/impulsivo ou racional/consciente, e nessas duas dualidades existem perspectivas e conceitos diferentes, que são respectivamente, no meu ponto de vista, o papel do indivíduo Consumidor e/ou Investidor.



Você se considera um Consumidor ou um Investidor frente ao mercado?


Quando você se considera um Consumidor, é preciso entender que se está frente a uma gama de opções disponíveis, onde a sua escolha principal vai se dar muitas vezes por adquirir algo em que não necessariamente você verá o valor agregado da aquisição. Quem nunca comprou algo por impulso e refletiu depois que a aquisição não precisaria ter ocorrido? A etimologia da palavra "consumo" vem do latim consumere (esgotar) e é formada por com, mais suemere (apoderar-se, gastar, agarrar). Há outras definições também um pouco assustadoras: gastar ou corroer até a destruição, anular e destruir.


Já quando você esta em uma postura de Investidor, você primeiro analisa o recurso financeiro que tem disponível para adquirir algo, e na sequencia você reflete sobre o valor agregado que a aquisição poderá te trazer. Ex: Se eu comprar esse item, vou usar pois de fato é algo que necessito a médio e longo prazo e não tenho nada similar. Por final, você vai analisar para onde está indo o seu recurso financeiro, afinal você só investe em algo que acredita e vê valor agregado, ou seja, uma relação importante que de fato poderá gerar impacto naquilo em que acredita e destina esforços.


O fato é que investidores escolhem para onde vão destinar sua renda e seus recursos, e que, nessa escolha, ambas as partes da transação serão beneficiadas, isto é, ocorre uma troca bilateral vantajosa advinda de uma escolha individual previamente pensada e consciente. Você pode e ja é investidor de muitos negócios, nós já viemos ao mundo fazendo escolhas, e fazemos isso diariamente. Basta nos enxergarmos como investidores para sabermos do impacto positivo que podemos gerar em cada decisão que tomamos.


Reflita: Você investiu em quem esta semana? Quais negócios você impactou? Destes negócios, quais escolhas você faria novamente na visão de investidor? Qual aquisição que você ainda consegue enxergar valor agregado? Qual aquisição que você fez hoje que te não te beneficiou ou te beneficiou uma única vez? Qual história por trás dos seus produtos?



17 visualizações0 comentário